Comitê de Inteligência da Câmara divulgou resultado das investigações do inquérito de impeachment contra Donald Trump.

Órgão diz que presidente dos EUA subverteu a política externa norte-americana em benefício próprio e cometeu obstrução.

Relatório do inquérito de impeachment contra Donald Trump apresentado nesta terça-feira (3) Jon Elswick/AP Photo Relatório divulgado nesta terça-feira (3) pelo Comitê de Inteligência da Câmara dos Estados Unidos diz que o presidente Donald Trump "usou o poder de seu cargo para solicitar interferência estrangeira a seu favor nas eleições de 2020". Essa e outras conclusões servirão de base no inquérito de impeachment contra Trump (veja mais detalhes do documento adiante). "O esquema do presidente Trump subverteu a política externa dos Estados Unidos em relação à Ucrânia e desgastou nossa segurança nacional em favor de duas investigações de motivações políticas que poderiam ajudar sua campanha presidencial rumo à reeleição", diz o relatório. O presidente dos EUA, Donald Trump, em foto desta segunda-feira (2). Alex Brandon/AP No inquérito de impeachment contra Trump, o republicano é acusado de ter pedido ao presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, que investigasse o ex-vice-presidente Joe Biden e o filho dele, Hunter.

O político do Partido Democrata é pré-candidato à Casa Branca. Trump não nega que tenha conversado sobre o assunto com Zelensky — inclusive, a própria Casa Branca divulgou transcrições da conversa.

Porém, segundo o presidente dos EUA, não houve nenhuma troca de favores que pudesse levá-lo a perder o cargo. Volodymyr Zelensky e Donald Trump durante encontro em Nova York, em 25 de setembro de 2019 Saul Loeb / AFP Apresentado pelo chefe do Comitê, o deputado democrata Adam Schiff, o relatório também afirma que Trump agiu conscientemente para obter favorecimento pessoal.

O texto ainda cita as denúncias de interferência da Rússia na campanha de 2016, que resultaram em uma longa investigação contra o presidente norte-americano. "A má conduta do presidente não foi uma ocorrência isolada nem um produto de um presidente ingênuo", afirma o texto. O documento apresentado nesta terça-feira é uma das etapas do inquérito de impeachment contra Trump.

A partir desta quarta, começam as audiências que determinarão as acusações formais que serão apresentadas aos deputados norte-americanos. O que diz o relatório? Donald Trump durante encontro da Otan, em 3 de dezembro de 2019 Evan Vucci/AP O Comitê de Inteligência da Câmara apresentou o relatório concentrado em duas possíveis irregularidades cometidas por Trump.

Caberá ao Comitê de Justiça analisar e apresentar as acusações formais com base nessas conclusões.

Veja quais são: Má conduta: Trump condicionou um encontro oficial e ajuda militar à Ucrânia a anúncios de investigações que favoreceriam a campanha do presidente dos EUA pela reeleição. Obstrução: Trump obstruiu o inquérito de impeachment ao instruir testemunhas e agências que ignorassem as intimações oficiais da Câmara. Assim, os investigadores concluíram que Trump não só agiu de maneira irregular no telefonema com Zelensky como tentou atrapalhar o inquérito e intimidou testemunhas. Uma dessas testemunhas era Marie Yovanovitch, ex-embaixadora dos EUA na Ucrânia.

Enquanto testemunhava diante de deputados sobre a pressão que o presidente teria exercido contra ela, Trump disparou uma série de mensagens no Twitter contra a diplomata.

"Tudo ficou mal nos lugares onde ela passou", escreveu o republicano. Gráfico mostra quais os possíveis desdobramentos do processo de impeachment de Donald Trump Guilherme Pinheiro/G1 Initial plugin text