Dois indivíduos foram presos temporariamente nesta terça-feira (3), em Cuiabá (MT).

Autores estão ligados a uma organização criminosa.

Dois indivíduos foram presos nesta terça-feira (3), em Cuiabá Polícia Civil A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Pirapozinho (SP), deflagrou nesta terça-feira (3) a Operação Cerrado, visando ao cumprimento de três prisões temporárias e quatro mandados de buscas em Cuiabá (MT), no intuito de desarticular uma quadrilha suspeita de clonar anúncios em aplicativo de vendas pela internet na região de Presidente Prudente (SP).

Conforme informações do delegado Rafael Galvão, responsável pelas investigações, dois indivíduos foram presos temporariamente nesta terça-feira (3) e a polícia segue em busca de um terceiro envolvido.

Além disso, os policiais cumprem quatro mandados de buscas em Cuiabá. Os autores, segundo o delegado, estão ligados à organização criminosa Comando Vermelho, com atuação primordial em Cuiabá.

No entanto, na região de Presidente Prudente, 18 golpes já foram aplicados pelo grupo.

"Eles aplicaram golpe em Presidente Prudente, Pirapozinho e Regente Feijó.

Estenderam-se ainda à região de Andradina, São Paulo e Grande São Paulo", disse Rafael Galvão ao G1.

Os suspeitos, para realizarem os golpes, clonavam anúncios de um aplicativo de vendas da internet e, no momento em que as vítimas realizavam o pagamento, o valor era redirecionado a outras contas bancárias.

"Nós conseguimos evitar no ato o depósito de uma vítima de Dracena, que estava fazendo o pagamento em uma agência de Pirapozinho.

A partir daí, começamos as investigações", relatou Galvão ao G1. De acordo com o delegado, durante as investigações, foram feitas interceptações telefônicas, quebra de sigilo bancário, fiscal e de dados telefônicos, que permitiram que o grupo de criminosos fosse identificado.

Além disso, ao investigar a quadrilha, a polícia constatou que, com esse golpe, os autores chegavam a movimentar R$ 250 mil por semana. As prisões se enquadraram nos crimes de associação criminosa e estelionato.

A partir delas, segundo o delegado, outros envolvidos serão identificados. A Polícia Civil apreendeu diversos aparelhos celulares durante as investigações. Veja mais notícias em G1 Presidente Prudente e Região.