Cercamento eletrônico ajudou a recuperar 35,5% dos carros roubados.

Até o final de março, devem ser colocadas câmeras em 182 pontos.

Investimento é de R$ 7 milhões.

Cercamento eletrônico em Porto Alegre ajuda a reduzir índices de criminalidade O roubo de veículos em Porto Alegre caiu cerca de 42% em 2019, de acordo com os índices criminais divulgados pela Secretaria de Segurança Pública do estado.

Foram 4.762 veículos levados no ano passado, enquanto que, em 2018, 8.215 haviam sido tomados por assaltantes. Uma das razões para a redução, segundo a prefeitura da Capital, é o sistema de videomonitoramento existente na cidade.

O dispositivo de cercamento eletrônico emitiu 1.329 alertas de carros roubados ou furtados em 2019.

Desse total, 35,5% foram recuperados.

Atualmente, 162 câmeras monitoram a cidade.

Até o final de março, serão colocados equipamentos em mais 20 pontos, controlando todas as entradas e saídas da cidade.

O investimento é de R$ 7 milhões. "Se algum veículo roubado ou furtado está entrando na cidade, ou se está saindo, automaticamente já é dado um alerta, podendo fazer, além do cercamento eletrônico, o cercamento físico, com policiamento ostensivo, com investigação e outros atributos que a polícia pode ter à sua mão", diz o secretário municipal de Segurança Pública, Rafael Oliveira. O cercamento monitora 25 milhões de placas por mês, e identifica vários crimes.

Por volta das 9h desta terça-feira (14), um carro teve a placa registrada por uma câmera de monitoramento instalada na Zona Sul de Porto Alegre.

A informação foi para o sistema do cercamento eletrônico e comparada com o banco de dados do Detran-RS. Em segundos, a denúncia do roubo do veículo foi identificada, e a Brigada Militar recebeu o alerta para iniciar a perseguição.

Dois homens que estavam em um carro furtado tentaram fugir, mas foram presos, e o automóvel foi recuperado. "Além dessa questão de roubo e furto de veiculos, temos encontrados vários tipos de situação como, por exemplo, pichação, dano ao patrimônio público.

Nós temos encontrado pessoas em condições de uso de entorpecente ou até tráfico de entorpecente.

Vai depender muito da situação que está sendo monitorada no momento", avalia Marlo Hur, coordenador do Centro Integrado de Comando e Controle da Capital.