Certa vez, um homem teve um mal súbito e veio a óbito.

Quando ele fechou os olhos neste mundo e os abriu em outra atmosfera, logo ele percebeu um ambiente com muita luz e sons de festa.

Ele se deu conta de algo sublime: ele estava no céu! Quanta alegria, quanta graça! Ele respirou aliviado e pensou: ufa! Vim para o lugar certo.

Ele foi caminhando em direção ao som que ouvia e se deparou com os anjos, que entoavam cânticos de adoração ao Senhor.

Ele ficou maravilhado e sentou-se perto de um dos anjos.

O homem começou a ficar incomodado e perguntou ao anjo: até que horas vocês vão cantar? Eu já estou cansado de ouvir essa melodia! E o anjo lhe respondeu: não pararemos jamais! Nós adoramos ao Rei dos reis de eternidade a eternidade.

O homem não conseguia acreditar no que acabara de ouvir.

Ele caminhou mais um pouco e avistou pessoas pelo jardim e logo se animou.

Ele se aproximou dessas pessoas e começou a conversar.

Não demorou muito até que o incômodo novamente tomasse conta de seu coração.

Ele questionou: vocês estão sempre felizes por aqui? Sim, respondeu um deles! Aqui a alegria é constante.

O homem não gostou de saber que a alegria reinava ali, afinal, nada tem graça se não tiver um pouquinho de dificuldade antes.

E ele caminhou mais um pouco na expectativa de encontrar algo que valesse a pena no céu.

Finalmente! Ele teria a oportunidade de conversar com Deus! Agora ele estava animado e cheio de expectativa.

Ele se aproximou de Deus, sentou-se ao seu lado e não conseguiu pronunciar uma palavra sequer.

Nesse momento, o homem se deu conta que não tinha nada para conversar com Deus, ele não se relacionava com Deus e não tinha criado uma relação de intimidade.

Como conversar com um desconhecido e se encher de esperança? Como ser amigo de alguém sem criar laços de intimidade e confiança? Ele não era amigo de Deus, ele não conhecia Deus.

Nesse instante, esse pobre homem percebeu a sua realidade: o céu só é o melhor lugar porque Deus está ali! Como ele não conhecia a Deus, o céu se tornou um lugar sem sentido.

E ele percebeu a fragilidade do seu ser.

O que faz o ambiente se tornar sublime é a presença do Rei da Glória! O céu, os anjos, a perfeição da criação, nada disso tem sentido sem o Senhor de todas as coisas.

Ele é o Senhor, Ele é a própria vida.

Essa simples história traz a reflexão a respeito de nós mesmos.

A intimidade com Deus é construída em nosso dia-a-dia, no secreto do nosso quarto, nas orações sinceras, em confiança e dependência, na leitura da palavra, nas lágrimas derramadas em Sua presença.

Será que podemos dizer a Ele: eu te conhecia de ouvir falar, mas hoje os meus olhos podem te contemplar? Já se imaginou sentando com o Pai? O que você seria diante da presença Dele – um amigo ou um desconhecido? Ame ao Senhor, este é o grande e primeiro mandamento.

E lembre-se: o céu é bom porque Cristo lá está.