Vizinhança teme que erosão se agrave com as próximas chuvas na região da Vila Romana.

Secretário de Obras descarta riscos e não dá previsão para início do conserto.

Chuva rompe adutora de água e abre cratera em Taquaritinga (SP) Moradores de Taquaritinga (SP) reclamam de uma cratera aberta sobre uma avenida principalmente após um temporal no início de janeiro.

Com a força da água, uma adutora se rompeu e o asfalto cedeu em cima de um riacho na Vila Romana, no cruzamento da Rua João Perroni com a Avenida Paulo Zuppani. Quem mora na região teme que a erosão se agrave com a chegada de mais chuvas.

A dona de casa Angélica Chiarelli mora a poucos metros da cratera e tem filhos pequenos que gostam de brincar na rua. "Já pensou se vem pra frente essa cratera? E minha casa, vai pra onde? Você tem criança pequena, tem filhos e vê uma coisa dessas.

[Eles] vão agir quando?”, questiona. Cratera surge no asfalto de Taquaritinga (SP) após temporal no início de janeiro Chico Escolano/EPTV O trecho foi interditado até que o problema seja resolvido e os moradores precisam fazer um desvio de um quilômetro para transitar entre os bairros São Sebastião e Vila Romana. O secretário municipal de Obras e Meio Ambiente, Luís Carlos Lorençano, disse que a erosão não oferece riscos e que não há previsão para o conserto, já que a Prefeitura não consegue custear as obras de canalização do riacho, que devem custar cerca de R$ 5 milhões. “[A erosão] está a mais de 12 metros e meio de distância [das casas] e já está paralisada.

Essa erosão existe há mais de seis anos e a gente está correndo atrás de verba, porque é um custo muito elevado.

Não tem como [a Prefeitura] suportar”, afirma. Cratera surge no asfalto de Taquaritinga (SP) após temporal no início de janeiro Chico Escolano/EPTV Preocupação Enquanto o problema não é resolvido, os moradores estão com medo.

A estudante Camille Lopes, que passa pela avenida com frequência, diz que levou um susto ao ver o tamanho da cratera. “Já pensou se tivesse passando um carro e caísse com uma criança dentro? Deu até um choque no coração.

Tem que arrumar logo”, diz. Angélica mora no bairro há 20 anos e diz que não é a primeira vez que o terreno cede com as chuvas.

Em 2013, outra cratera foi aberta na mesma avenida após o rompimento de uma adutora. “Eles vêm, jogam entulho, aí a primeira chuva desce tudo de novo.

Agora abriu essa cratera.

Outra vez abriu e não tinha como tirar o carro da garagem”, relembra. O operador de máquinas Aparecido João Matias relata que a vizinhança plantou árvores ao redor do local na tentativa de evitar erosões.

“Essa via dá acesso a mais de dez bairros.

É um descaso sem tamanho com a população, principalmente a Vila Romana”, diz. Cratera que surgiu no asfalto de Taquaritinga (SP) em 2013 após rompimento de adutora EPTV/Arquivo Veja mais notícias da região no G1 Ribeirão Preto