Polícia Civil investiga suspeita de que Pablo de Oliveira, de 10 anos, tenha sido sugado por tubulação de água pluvial.

Prefeitura inspeciona local e avalia a necessidade de obras.

Corpo de menino levado pela enxurrada é enterrado sob comoção em Orlândia, SP O corpo do estudante Pablo de Oliveira, de 10 anos, foi enterrado na manhã desta segunda-feira (20), no Cemitério Municipal de Orlândia (SP), sob comoção e aplausos dos moradores. O menino foi encontrado morto no córrego do Agudo, após desaparecer durante um temporal no Parque Municipal Prefeito Cyro Armando Catta Preta, conhecido como Parque da Gruta. A Polícia Civil investiga a suspeita de que o garoto tenha sido arrastado pela enxurrada e levado para dentro de uma tubulação de água pluvial com cerca de 400 metros de extensão. “É muito triste”, disse Júlio Sérgio Alves de Oliveira, pai de Pablo.

“Muitas coisas davam para ser evitadas ali.

Se tivesse sido colocada grade no local, tinha sido evitado”, completou. Mãe do menino Pablo de Oliveira é amparada por amigos e familiares no Cemitério de Orlândia, SP Carlos Trinca/EPTV Mãe do menino, a ajudante de cozinha Maria Luiza Lima deixou estava amparada por amigos e familiares ao deixar o cemitério.

Muito abalada, ela comentou a tragédia. “Estou procurando um conforto, mas não acho.

Inconformada.

Dor, dor, dor mesmo.

Não sei como estou em pé.

Não sei como estou conseguindo”, desabafou. No domingo (19), durante as buscas pelo corpo do filho, Maria Luiza também criticou a falta de segurança no parque, onde Pablo brincava com quatro amigos, quando desapareceu. “Se tivesse uma grade, meu filho tinha parado na grade, não tinha descido.

Não tinha ninguém.

Vieram fechar a portaria depois do que aconteceu com meu filho”, disse. O estudante Pablo de Oliveira, de 10 anos, que morreu em Orlândia, SP Reprodução/EPTV A aposentada Lourdes Marinoti contou que a filha foi professora de Pablo na pré-escola.

A idosa afirmou que o menino era muito educado e querido pelos colegas de classe. “É muito triste para a cidade, para nós todos.

Eu não o conhecia, mas a minha filha conhecia bem a mãe e a criança.

Ela chorou muito, porque era uma criança muito boazinha”, disse. Investigação O delegado Paulo Françolin afirmou que os resultados dos exames pericial e necroscópico – esse último feito no corpo de Pablo – devem apontar a dinâmica do acidente no sábado (18).

“O resultado desses exames periciais que virão com laudo, possivelmente nos ajudará nessa conclusão.

Trabalhamos, sim, com a hipótese de que a vítima tenha sido sugada pelo sistema de captação de águas do parque.” Policiais militares que atuaram no local já prestaram depoimento.

Bombeiros que trabalharam no resgate do corpo, familiares de Pablo e funcionários do parque também serão ouvidos. “Nós trabalhamos com a responsabilidade criminal.

Nesse ponto de vista, não trabalhamos com a possibilidade de responsabilizar qualquer ente ou qualquer responsável pelo parque nesse sentido”, finalizou. Tubulação de água pluvial no Parque da Gruta em Orlândia Carlos Trinca/EPTV Segurança Em nota, a Prefeitura de Orlândia informou que nunca registrou um acidente como este ou pedido da população para instalação de grade na tubulação de água pluvial desde que o Parque da Gruta foi inaugurado, há 100 anos. “(...) não podemos afirmar que se houvesse a grade e/ou tela evitaria tal fatalidade, devido ao grande acúmulo de água que se formou no local.

Com certeza, este trágico acidente servirá para que medidas não pensadas por ninguém anteriormente possam ser tomadas”, diz. A administração municipal alegou que também aguarda o resultado da perícia realizada pela Polícia Civil, que indicará se Pablo foi, ou não, sugado pela tubulação de água pluvial. “Engenheiros da Prefeitura irão realizar uma varredura no parque, verificando pontos e medidas a serem tomadas.

Previsão que estas sejam realizadas até na próxima sexta-feira (24) e o parque seja reaberto ao público no próximo sábado (25)”, concluiu. Parque Municipal Prefeito Cyro Armando Catta Preta, o Parque da Gruta, em Orlândia Carlos Trinca/EPTV Veja mais notícias da região no G1 Ribeirão Preto e Franca