Animal pertence ao padre que estava rezando a missa.

Imagens viralizaram nas redes sociais.

Cachorro invade missa em Itacurubi, na Fronteira Oeste do RS Um cachorro invadiu uma missa em Itacurubi, na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul, e a cena viralizou.

[Veja o vídeo acima].

O animalzinho pertence ao padre, Irineu Neto Guedes Machado, de 62 anos, que estava rezando a cerimônia religiosa. Nas imagens, o cachorro entra na igreja e vai direto em direção ao padre.

A agropecuarista Loane Dorneles dos Santos, de 34 anos, estava na missa e fez o vídeo.

"Aquele dia foi a missa de falecimento de dois anos do meu pai.

O padre estava fazendo a oração, falando das pessoas ausentes, e aí o cachorrinho entrou e foi direto no padre.

Parece que foi um sinal, que foi um anjo que agradou a todos", conta Loane. O cachorro se chama Seliguedim.

O padre conta que deu esse nome em homenagem a um outro cãozinho que teve no passado. "Eu cheguei do interior e não tinha dado atenção para ele, fui direto para a igreja.

Ele estava brincando no pátio com outros cachorros, ouviu a minha voz, e foi lá fazer aquela festa", afirma. Loane relata que não imaginava que o vídeo iria fazer tanto sucesso.

Até o final da manhã desta segunda (20) já havia mais de 40 mil visualizações. "Eu e minha sogra estávamos mais na frente, minha sogra disse 'vou filmar'.

Não sabia que o cachorro era do padre.

Comecei a filmar.

O padre em nenhum momento perdeu a concentração no que ele estava fazendo.

Acabou a missa, eu fui falar com o padre, agradeci pela oração.

Aí ele me falou que o cachorro era dele", conta Loane. O padre disse que não é o primeiro animal a aparecer na igreja.

"Logo que eu cheguei na paróquia tinha um cachorrinho do meu sobrinho que ficava deitado na frente do altar". Terminada a primeira parte da liturgia, o padre levou o cachorro para casa e deu ração.

Ele conta que ganhou o animal de um amigo. "Ele havia dito 'o senhor precisa de um cachorrinho, são muito dóceis'.

Eu não queria porque tem o trabalho do dia a dia.

Mas aí ele me disse que ele nasceu em 8 de outubro, que é data da minha ordenação, aí pensei 'eu tenho que ficar com o cachorro'. "É um sinal para que a gente não esqueça de Deus, que também nos acolhe, os animais querem chamar a atenção para isso", acrescenta o padre.