A Polícia Civil de Minas vai ouvir familiares das vítimas na nova fase da investigação.

Outras três pessoas morreram e 15 continuam internadas.

Familiares da vítima do caso Backer chegam em BH para depoimento Cristiane Leite/TV Globo A família de Maria Augusta de Campos Cordeiro chegou nesta segunda (20) em Belo Horizonte e será ouvida pela Polícia Civil de Minas Gerais.

A mulher é uma das vítimas do caso Backer, e morreu em Pompéu, na região Centro-oeste do estado, após consumir Belorizontina em BH.

Às 16h50, os parentes prestavam depoimento. Os depoimentos são parte da nova fase de investigação, que consiste em ouvir parentes de vítimas.

Três testemunhas foram ouvidas mais cedo pelo delegado Flávio Grossi, responsável pelo caso. Maria Augusta tinha 60 anos e morreu no dia 28 de dezembro de 2019.

No período entre os dias 15 e 21 de dezembro, a vítima esteve em Belo Horizonte e consumiu a cerveja da Backer.

Ela começou a passar mal e não melhorou quando voltou para Pompéu.

A causa da morte foi por insuficiência renal e alteração neurológica.

Parentes de vítimas do caso Backer são ouvidas pela polícia Quatro mortes foram provocadas por intoxicação pela substância dietilenoglicol, que foi encontrada em amostras da cerveja Belorizontina, da Backer.

No total, 21 casos são investigados. Cervejas Belorizontina, da Backer Danilo Girundi/TV Globo Resumo Uma força-tarefa da polícia investiga 19 notificações de pessoas contaminadas após consumir cerveja; quatro morreram; Os sintomas da intoxicação incluem náusea, vômito e dor abdominal, que evoluem para insuficiência renal e alterações neurológicas; O Ministério da Agricultura identificou 32 lotes de cerveja da Backer contaminados com dietilenoglicol, um anticongelante tóxico; A Backer nega usar o dietilenoglicol na fabricação da cerveja; A cervejaria foi interditada, precisou fazer recall e interromper as vendas de todos os lotes produzidos desde outubro; A diretora da cervejaria disse que não sabe o que está acontecendo e pediu que clientes não consumam a cerveja; O governo de MG criou portal para informar sobre intoxicação; À Justiça, a Backer apresentou um vídeo com suposto indício de sabotagem. Sintomas Ministério da Saúde investiga síndrome nefro neural em Minas Gerais Reprodução/TV Globo Entre os sintomas da síndrome nefroneural estão alterações neurológicas e insuficiência renal.

De acordo com a presidente da Sociedade Mineira de Nefrologia, Lilian Pires de Freitas do Carmo, os primeiros sinais de intoxicação por dietilenoglicol são dores abdominais, náuseas e vômitos.

O tratamento é feito no hospital, com monitoração, e tem o etanol como antídoto. Processo cervejeiro Arte/G1 Initial plugin text