Crime é previsto na Lei Maria da Penha e vítimas ainda podem acionar agressores na Justiça por calúnia, injúria ou difamação.

Denúncias de violência moral crescem em Campinas O número de casos de violência moral contra as mulheres, que incluem xingamentos, ofensas e falsas acusações cresceu 277% em Campinas (SP), de acordo com dados obtidos pela EPTV via Lei de Acesso à Informação (LAI).

A Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência registrou 68 casos em 2019, contra 18 do ano anterior.

Além de crime previsto na Lei Maria da Penha, o caso é passível até de ação judicial.

A recomendação de especialistas às mulheres vítimas de violência moral é registrar boletim de ocorrência para que o homem responda criminalmente pelas ofensas, e processá-lo por danos morais. De acordo com a assistente social Eliane Oliveira Machado, esse tipo de violência é caracterizado pelo conflito entre as partes.

"Ele [agressor] vai colocar muito que ela [mulher] que é a causadora da briga, que ela é que a causadora do estresse, que ela surtou, ficou louca, mas ele acaba colocando isso para os outros", diz. A advogada Taís Cremasco explica a importância da mulher acionar a Justiça contra esse tipo de crime e, se possível, juntar provas contra o agressor, já que a violência moral é "muito abrangente". "A violência moral é muito abrangente, porque é a ofensa a honra da mulher, e é uma coisa subjetiva.

O que ofende, de repente, a honra de uma mulher, não ofenderia a honra de uma outra mulher.

Então o juiz vai analisar caso a caso porquê aquela mulher se sentiu ofendida.

É muito importante que a mulher grave, ou faça prints das conversas, da forma que acontecer a violência.

Porque, sim, vai precisar de alguma forma comprovar", destaca. Segundo Cremasco, o depoimento da mulher vítima de violência moral também é superimportante nesse tipo de caso.

"Claro que o depoimento dela será levado em conta, o juiz vai analisar, os psicólogos vão analisar, e possivelmente a mulher consegue provar que sofreu, que foi vítima de uma violência moral." Como pedir ajuda? A Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência recebe denúncias e oferece orientações às vítimas pelo telefone 180.

Já a Defensoria Pública em Campinas, que pode auxiliar as mulheres em ações na Justiça, atende pelo telefone 0800 773 4340, das 7h às 19h. Veja mais notícias da região no G1 Campinas