Especialista conta que uso de cilindro de gás carbônico para efeito especial deve ser feito por pessoal treinado.

Especialistas alertam para cuidados com cilindros de gás carbônico De manuseio simples, artesanal, mas que deve ser feito por pessoal treinado e com equipamento adequado.

É assim que um especialista em gás carbônico e um DJ explicam o funcionamento da máquina de papel picado, aparato muito usado em shows, e que explodiu deixando quatro pessoas feridas em um clube de Indaiatuba (SP) na madrugada de domingo (19).

Com o incidente, o cantor Dilsinho cancelou a apresentação que faria no local. De acordo com Jamil Silva, que há 30 anos trabalha com cilindros de gás carbônico, a utilização do produto exige pessoal capacitado para manusear e operar equipamentos com o produto. Segundo o especialista, apesar do CO2 ser um gás inerte, o fato de ser armazenado sob pressão exige diversos cuidados.

Um deles é o uso de pressurizador, para adequar o volume utilizado com a pressão necessária para funcionamento do equipamento.

"Se essa válvula estiver direto no aparelho, existe um equilíbrio técnico entre o gás e o aparelho de consumo.

Um aparelho com 30kg de capacidade, o cilindro com 60kg, provavelmente vai romper o aparelho", explica Jamil. Equipe dos bombeiros atenderam as vítimas durante explosão em show em Indaiatuba Reprodução/Instagram Uma das pessoas feridas na explosão, Hozana Moreira de Oliveira conta que viu pessoas mexendo nos cilindros antes da explosão. "Eles estavam mexendo lá, tinha uns registros, não sei o que eles estavam fazendo.

Daí, de repente, veio o estouro.

Foi aquela correria.

No que me acertou, eu cai sentada.

A gente nem entendeu bem o que estava acontecendo.

Erro foi, se era para mexer, porque não mexeram antes de o pessoal chegar", disse.

De acordo com o DJ Franck, que possui aparelho semelhante, o manuseio é simples, mas deve ser feito apenas por pessoal treinado, já que o acionamento da máquina de papel tem que ser feito por uma pessoa durante o show, e na presença do público. "A gente trabalha somente com equipe treinada para todo tipo de evento, desde altura até disparos de efeitos especiais", afirma. Veja mais notícias da região no G1 Campinas