Solicitação foi feita à Vara do Trabalho por sindicato que representa a categoria.

Segundo a decisão, trabalhadores devem ser submetidos a exames antes de voltar às atividades presenciais.

Coronavírus Arte/G1 A 2ª Vara do Trabalho de Franca (SP) afastou das atividades presenciais os funcionários do Centro de Distribuição dos Correios que tiveram contato com um trabalhador diagnosticado com Covid-19.

Eles só poderão voltar às atividades após serem testados e receberem o resultado negativo para a doença.

A decisão atende, em caráter liminar, uma ação movida pelo Sindicato dos Trabalhadores dos Correios de Ribeirão Preto e Região.

Os Correios ainda não se manifestaram sobre o assunto.

Decisão A juíza do trabalho Eliana dos Santos Alves Nogueira determinou o afastamento de todos aqueles que atuam diretamente na retirada de correspondências, setor onde o funcionário diagnosticado trabalha, ou que mantiveram algum contato com o ambiente 15 dias antes de 9 de maio, data do resultado do exame.

Ao mover a ação, o Sindicato solicitou que todos os funcionários, independentemente do contato com o paciente, fossem colocados em trabalho remoto por duas semanas.

A entidade afirmou que a empresa fechou a unidade por dois dias para serviços de higienização, e colocou em trabalho remoto dois funcionários que trabalhavam a menos de dois metros de distância do colaborador diagnosticado.

Mas, segundo o Sindicato, as medidas adotadas são insuficientes, tendo as equipes que permanecer em isolamento por 15 dias. Para a magistrada, a entrega de correspondências é uma atividade essencial, conforme o decreto n° 20.282, de 20 de março, mas os trabalhadores são expostos diariamente ao risco de contágio, sendo possíveis transmissores da doença para a população em caso de infecção. Ao determinar o afastamento, a juíza impôs que todos sejam testados para o novo coronavírus, mas que apenas os trabalhadores positivados sejam colocados em isolamento por 15 dias.

Os exames devem ser custeados pelos Correios.

Já aqueles com resultado negativo, podem retornar às atividades presenciais, mas precisam ser comunicados com 24 horas de antecedência. Veja mais notícias da região no G1 Ribeirão Preto e Franca