Proposta é pela restrição da circulação de dois finais de placas por dia, entre segunda e sexta-feira, das 7h às 19h, em toda a malha urbana; ideia é diminuir acidentes e ampliar isolamento no combate à Covid-19.

O prefeito de Campinas (SP), Jonas Donizette, anunciou nesta terça-feira (19) que enviou à Câmara dos Vereadores o projeto de lei para implantação do rodízio de veículos como forma de restringir a circulação de pessoas, diminuir acidentes e ampliar a taxa de isolamento no combate à pandemia da Covid-19.

Ainda não há um cronograma para a tramitação na casa legislativa. Perguntas e respostas sobre projeto do rodízio "É um projeto polêmico, que requer muita discussão.

Mas praticamente todas as atividades consideradas essenciais estão fora do rodízio.

Estamos pegando apenas quem está saindo de casa e não era para estar saindo", destacou o chefe do Executivo. Pela proposta, haveria restrição de circulação de carros e motos de acordo com os finais de placas [veja abaixo], independentemente de serem emplacados na cidade ou não, das 7h às 19h, de segunda a sexta-feira, em toda a área urbana de Campinas - não haveria restrição em rodovias. Proibição de circulação Segundas-feiras: placas finais 1 e 2 Terças-feiras: placas finais 3 e 4 Quartas-feiras: placas finais 5 e 6 Quintas-feiras: placas finais 7 e 8 Sextas-feiras: placas finais 9 e 0 Pela proposta enviada à Câmara, o rodízio não será válido aos sábados, domingos, feriados e pontes de feriados, e se aprovada, será válida por tempo indeterminado. Além disso, a frota do transporte público urbano seria ampliada, além de estabelecer que a fiscalização ficaria a cargo da Emdec, pelos agentes de mobilidade, pontos de fiscalização eletrônica, radares e câmeras de vigilância. "Enviamo com o projeto um estudo de que o rodízio aumentaria em 10% a sobrecarga do transporte coletivo", disse Jonas, sem detalhar o projeto.

A ideia é defender que a medida será eficaz para tentar ampliar o isolamento. Livres do rodízio O projeto do Executivo, que substituiu o anúncio do decreto do rodízio, estabeleceu que diversas categorias estão livres do rodízio.

São elas: Todos os tipos de ônibus (sistema de transporte público coletivo municipal, intermunicipal, rodoviário, fretamento, etc.); Caminhões; Táxis; Veículos de transporte por aplicativos devidamente cadastrados na Emdec; Veículos de transporte escolar; Veículos oficiais e viaturas, como de polícia, salvamento, socorro, fiscalização de trânsito e prestadores de serviço de utilidade pública já estão contemplados pela livre circulação, desde que devidamente sinalizados; Pessoas com deficiência e com doenças crônicas, que necessitem de acompanhamento continuado, como tratamento de quimioterapia, radioterapia ou hemodiálise.

E as pessoas que as transportem; Profissionais das seguintes áreas: - Serviços da área da saúde, farmacêutica e correlatos; - Serviços de entrega de mercadorias e correspondência; - Empresas com contratos para execução de obras públicas; - Comércio de alimentos; - Órgãos e serviços públicos municipais, estaduais e federais; - Serviços de limpeza pública urbana e correlatos; - Construção civil; - Manutenção predial; - Veterinárias e atendimento pet; - Transporte de valores, escolta armada e segurança privada, autorizados pela Polícia Federal; - Imprensa. Cadastro em aplicativo De acordo com a Emdec, o cadastro de situações excepcionais, de pessoas que precisam de liberação diante do rodízio, ocorre no aplicativo da empresa, que já recebeu 8,6 mil solicitações desde que a medida foi anunciada. "O aplicativo tem um 'botão' específico para o cadastro.

É necessário informar o nome, CPF, endereço, profissão, e-mail e o motivo da exclusão.

O cadastro é efetuado de forma rápida e a resposta é imediata", informa a Emdec. O prefeito de Campinas (SP), Jonas Donizette, em coletiva de imprensa nesta terça-feira (19) Reprodução/EPTV Antecipar feriados A prefeitura de Campinas (SP) anunciou nesta terça-feira (19) que também enviou à Câmara um projeto de lei para antecipar os feriados de Corpus Christi e da Consciência Negra, criando um feriadão de 5 dias na tentativa de ampliar os índices de isolamento social para evitar o aumento dos casos de Covid-19. A proposta é que as duas datas sejam antecipadas para terça (26) e quarta (27), respectivamente, se juntando ao feriado estadual de 9 de julho, da Revolução Constitucionalista, antecipado para a próxima segunda-feira (25).

MAPA: casos de coronavírus pelo Brasil Coronavírus: veja perguntas e respostas Veja o que é #FATO ou #FAKE sobre o coronavírus Com isso, se aprovado, Campinas teria de sábado (23) a quarta-feira (27) da próxima semana para reforçar as medidas de isolamento.

Além disso, o prefeito Jonas Donizette anunciou que enviou ofício à Polícia Militar Rodoviária e ao governo do Estado para ampliar a fiscalização nas estradas na saída da capital, que terá um feriadão nos mesmos moldes a partir desta quarta (20) até segunda (25).

A preocupação é que pessoas deixem a região metropolitana e venham para o Interior.

O uso de barreiras nas entradas da cidade não foi descartada pelo prefeito. Casos de Covid-19 Durante a coletiva, o prefeito anunciou o registro de mais uma morte, a 43ª pela doença, e mais casos positivos, chegando a 967 infectados. Veja o perfil das mortes registradas em Campinas Formas erradas e corretas de usar máscara de proteção contra o coronavírus Arte/G1 Entenda algumas das expressões mais usadas na pandemia do covid-19 Initial plugin text Veja mais notícias da região no G1 Campinas