Desde que as aulas foram suspensas, por causa da pandemia do novo coronavírus, Mariana Gonçalves Albino não estava conseguindo estudar.

Amigos juntam dinheiro para presentear colega que não tinha celular Alunos e professores de Enéas Marques, no sudoeste do Paraná, juntaram dinheiro para comprar um celular para uma garota que se destacava nos estudos, mas não tinha acesso à tecnologia.

Mariana Gonçalves Albino contou que ficou muito alegre com o presente.

Ela tem 14 anos e está no 1º ano do ensino médio. Coronavírus: UFPR adia vestibular para janeiro de 2021 "Desde pequena, ela não gostava de ficar em casa, sem ir para a escola.

Sempre gostou de estudar", afirmou Izolete Gonçalves, mãe de Mariana.

Professora relata preocupação com as crianças em meio à pandemia: 'Foi tirado de repente a infância, a escola, a liberdade' Da casa dela até a escola, Mariana precisava percorrer quilômetros e vencer dificuldades.

Ela lembra que, às vezes, pegava chuva no caminho e chegava molhada ao colégio. Mariana ganhou um celular de presente Reprodução/RPC Perseverança e dedicação O exemplo de perseverança e dedicação sensibilizou os professores. Secretaria de Educação do Paraná diz que adiamento do Enem é positivo e que alunos estão sendo preparados "Quando precisa de alguma pesquisa, ela fica no colégio o dia todo.

Almoça aqui, para fazer as atividades dela", disse o diretor da escola, Wagno da Silva. Desde que as aulas foram suspensas, por causa da pandemia do novo coronavírus, Mariana não estava conseguindo estudar.

Sem celular, computador e TV em casa, ela não conseguia se comunicar com os professores, nem acessar as aulas remotas. Para educadores, ensino remoto oferecido no Paraná precisa ser adaptado: 'Não se pode tratar todas as escolas igualmente' Acesso à tecnologia Então, a comunidade escolar se mobilizou, e a menina tímida e simples do interior de Enéa Marques agora pode descobrir um mundo de possibilidades na tela de um celular. No aparelho, já foi instalado o aplicativo "Aula Paraná".

Mariana já pode receber e encaminhar as atividades, pesquisar os trabalhos da escola e fazer o que mais ama, que é aprender.

Ali onde onde mora, funciona apenas o 4G de uma operadora de celular. Entre críticas e elogios, rede pública tenta ajustar distribuição de aulas online no Paraná "A gente precisa fazer um pouco a mais da parte que nos compete.

Na certeza de que, amanhã e depois, esses jovens, esses adolescentes, serão os percursores de uma sociedade mais justa, que é aquilo que todo professor anseia", afirmou o diretor.

Mariana agora pode fazer o que mais gosta, que é aprender Reprodução/RPC Initial plugin text Veja mais notícias da região no G1 Oeste e Sudoeste.