No ranking do endividamento estão dívidas com cartão de crédito, aluguel, carnês de lojas e empréstimos bancários.

Percentual de endividados sobe em maio e chega a 5,7% no Acre, diz Fecomércio Reprodução/ TV Globo O endividamento dos acreanos cresceu no mês de maio deste ano e atingiu 65,5% da população em comparação ao acumulado dos últimos cinco meses, contando desde desde dezembro de 2019, a abril de 2020, quando os dados apontavam que 62% da população estava endividada.

Os dados são da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic).

No Acre, os dados são divulgados pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Acre (Fecomercio-AC) e, apesar de divulgar a porcentagem, não aponta a quantidade absoluta de pessoas endividadas.

O número é 5,7% maior do que o registado no acumulado dos últimos cinco meses. No ranking do endividamento estão dívidas com cartão de crédito, aluguel, carnês de lojas e empréstimos bancários. O assessor técnico da Fecomércio, Egídio Garó, disse que esse crescimento das dívidas é consequência dos efeitos econômicos da pandemia do novo coronavírus que obrigou a maior parte de comércio a fechar as portas desde o mês de março. “Há uma política pandêmica acontecendo e é meio complicado analisar tudo, mas, as pessoas acabam consumindo mais, passam a ficar isoladas e com aquele receio de sair.

Vão para o mercado, fazem uma compra grande e parcelam no cartão de crédito, sendo que há pouco trabalho também desde a redução da carga horária e de salário”, explicou Garó. Garó pontuou que a perspectiva é que esses números aumentem nos próximos meses por conta desse momento econômico.

Se comparar os últimos meses, o grupo que já estava endividado ainda teve um aumento de 45,4% das dívidas que já tinham. “Muitos estão tendo dificuldade para pagar e precisam de prazo.

Quando eles encontram dificuldades, deixam de comprar bens necessários”, afirmou. Economista fala sobre os cuidados no gerenciamento das despesas do dia a dia