O pastor Silas Malafaia usou suas redes sociais neste final de semana para se retratar por uma declaração feita por ele em setembro do ano passado, após o então candidato à Presidência Jair Bolsonaro ser esfaqueado em Minas Gerais.

Malafaia foi influenciado por notícias falsas que afirmavam que Adélio Bispo, o agressor de Bolsonaro, era militante do PT e assessorou a campanha de Dilma Rousseff.

A informação não procede, a única ligação do criminoso com a política é uma filiação antiga que ele tinha no PSOL.

“(Adélio) Nunca foi assessor de Dilma.

Tem que ser honesto com isso aí.

Ele já teve vínculo lá atrás com o PSOL.

Mas nunca assessorou Dilma em campanha”, declarou.

Provavelmente a retratação se dá por um pedido na Justiça, mas o pastor não deixa isso claro.

Ele diz apenas que está “corrigindo” a declaração que fez na época da facada reforçando que sempre é cuidadoso com o que posta em suas redes.

“Na época eu soltei, postei no Twitter fazendo a reconsideração e agora estou reconsiderando neste vídeo, tá certo? A verdade é a verdade”, completou.

Assista:Adélio nunca foi militante do PT nem assessorou Dilma em sua campanha.

pic.

twitter.

com/yoaxPn7SZr— Silas Malafaia (@PastorMalafaia) November 10, 2019