Após mudança de entendimento do STF quanto a prisão em segunda instância, manifestações populares pediram que o tema fosse tratado no Congresso.

Alguns partidos se mobilizaram para travar a pauta caso a PEC da 2ª instância não seja votada.

Porém, a votação está encontrando barreiras na Câmara.

De acordo com O Antagonista, o malfadado Centrão está atuando para que o projeto não seja votado na tarde de hoje na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.

A estratégia é mapear os deputados que votariam a favor da proposta e mudar a composição do colegiado.

Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara e um dos maiores símbolos do Centrão, afirmou, em entrevista ao Estadão, que o Parlamento não deve dar “resposta precipitada” sobre a questão e insinuou que isso poderia gerar mais “instabilidade política”.

Vale lembrar que, em seu voto, Dias Toffoli “transferiu” ao Legislativo a responsabilidade sobre a matéria.

E, em primeiro momento, Maia estava resistente quanto a votar o tema.

Há também ainda o projeto anticrime de Sérgio Moro, que resolveria a questão, mas também enfrente forte oposição do Congresso.