As políticas do Facebook em favor da comunidade LGBTQ+ fizeram com que um ativista dos direitos das mulheres fosse banida da rede social por afirmar que mulher é um adulto do sexo feminino.

Kellie-Jay Keen Mishull, mais conhecida como Posie Parker, foi notificada na semana passada que sua conta no Facebook foi desativada sem dar detalhes do que motivou a decisão.

As publicações em sua página faziam defesa das mulheres e criticavam os procedimentos médicos que transformavam homens em mulheres trans.

Por várias vezes a página foi penalizada como explicou a ativista ao The Christian Post.

“Nos últimos anos, recebi inúmeras proibições de três, sete e trinta dias de verdades simples sobre a violência masculina, o apagamento dos direitos das mulheres, a verdade objetiva sobre a biologia e a mutilação dos corpos das crianças”, disse Keen-Minshull.

Ela mora no Reino Unido e lidera o grupo Standing for Women que tem contas em outras redes sociais como Instagram, Youtube e Twitter.

As atividades do grupo, porém, sempre geraram polêmica nas redes e, com medo de perder as contas, Keen-Minshull planeja criar várias contas reservas para não perder o contato com seus seguidores e apoiadores.

Em fevereiro do ano passado, uma publicação feita no Twitter a fez responder na promotoria.

Ao criticar a cirurgia de mudança de sexo de um menino de 16 anos que removeu os testículos, ela foi processada por um instituição britânica que apoia jovens transexuais.

“O que poderia ser pior do que a esterilização dos corpos das crianças, a erradicação dos direitos das mulheres e a censura da verdade? Eu me pergunto o que mais precisa acontecer antes que as pessoas defendam o que é certo”, desabafou a mulher que é mãe de quatro filhos.