Aos 44 anos, Debbie decidiu que não queria mais viver como uma mulher, após ter nasceu menina e ter vivido a maior parte de sua vida dessa maneira.

Então procurou tratamento para fazer a transição e passar a viver como homem.

Foi submetida a uma série de cirurgias, que incluiu a realização construção de um órgão genital masculino a partir da pele do seu antebraço.

Mudou de nome e passou 17 anos tomando testosterona, hormônio que pode levar a mudanças como mais pelos faciais e mais desenvolvimento muscular.

No seu relato a BBC, afirma que acreditava que a transição permitiria que ela “fosse aceita no mundo”, mas acabou se arrependendo do que fez consigo mesma.

“Foi um erro.

Como eu volto a ser a Debbie que eu era?”, questionou.

Agora com 61 anos, Debbie tenta voltar a ser o que era, assumindo o sexo verdadeiro, designado por Deus no seu nascimento.