A Polícia Civil de Santarém começou a devolver quinta-feira (26) os documentos apreendidos na sede da ONG durante a operação ‘Fogo do Sairé’.

Polícia do Pará cumpriu mandados de busca e apreensão na sede da ONG Saúde e Alegria no dia 26 de novembro de 2019 Divulgação Para uma análise detalhada dos materiais apreendidos pela Polícia Civil durante a operação “Fogo do Sairé” deflagrada pela Polícia Civil de Santarém, oeste do Pará, em 26 de novembro, a organização não-governamental Projeto Saúde e Alegria irá contratar uma auditoria externa. O anúncio da contratação do serviço e da antecipação da auditoria anual independente que acontecia sempre no mês de maio, foi anunciada nesta sexta-feira (27), pelo Saúde e Alegria por meio de nota à imprensa. Parte do material apreendido na ONG no mesmo dia em que os brigadistas Daniel Gutierrez Govino, João Victor Pereira Romando, Gustavo de Almeida Fernandes e Marcelo Aron Cwerner foram presos como suspeitos de incêndio criminoso na Área de Proteção Ambiental (APA) Alter do Chão, foi devolvida quinta-feira (26) à ONG pela Polícia Civil.

Os computadores administrativos e da equipe técnica seguem apreendidos. No dia da operação, o delegado de Polícia Civil do Interior, José Humberto Melo Junior disse que a ONG tinha sido alvo de busca e apreensão porque seu CNPJ havia sido usado para receber doações para a Brigada de Incêndio de Alter do Chão.

Mas o Projeto Saúde e Alegria se manifestou ainda no dia 26 de novembro negando ter recebido qualquer doação para a Brigada ou qualquer outro projeto ou ONG por meio do seu CNPJ ou de suas contas jurídicas.

Na nota divulgada nesta sexta, a ONG diz que devido a não devolução dos computadores ainda não será possível retomar o ritmo de trabalho em sua totalidade, pois nesses equipamentos estão instalados os aplicativos, sistemas automatizados de movimentação bancária e de contabilidade, essenciais para as operações do PSA. “Continuamos no aguardo da liberação completa para que possamos voltar a atender tanto as demandas institucionais quanto comunitárias com a mesma qualidade e agilidade característica do nosso trabalho”, disse o PSA em nota.

A ONG ressalta que a transparência tem sido marca e um dos seus maiores patrimônios em 33 anos de atuação, reconhecida por diversos prêmios, inclusive recentes.

“Auditorias de órgãos públicos, inclusive do Ministério Público Estadual, reforçaram nosso compromisso ao longo desse ano.

Seguindo nossa trajetória marcada pela lisura, correção e transparência, anunciamos como medidas extras: a antecipação da nossa auditoria anual independente e a contratação de um segundo serviço de auditoria para uma análise detalhada sobretudo do material apreendido”, pontuou. Initial plugin text Polícia do Pará prende quatro brigadistas suspeitos de causar incêndio em Alter do Chão e cumpriu mandados na sede da ONG Saúde e Alegria. Divulgação