Praias de Amontada, no litoral Oeste cearense, apareceram poluídas pela mancha neste fim de semana.

Praias do Ceará voltam a ter manchas de óleo depois de dois meses Arquivo pessoal Marcas de petróleo cru voltaram a aparecer no litoral cearense, entre a noite do último domingo e a manhã desta segunda-feira (30), quase quatro meses após o surgimento das primeiras manchas, no início de setembro.

Desde outubro a poluição não era registrada no litoral cearense. Desta vez, os locais atingidos são as praias de Caetanos de Cima e Caetanos de Baixo, no município de Amontada; e da Barra do Poço Velho, em Itapipoca.

A região fica no litoral Oeste do Ceará.

Desde setembro, o óleo atingiu pelo menos 900 localidades do litoral brasileiro.

Em vídeos divulgados nas redes sociais, pescadores mostram o acúmulo do material misturado a pedras e algas, na orla do município.

"Já tinha aparecido no início de outubro, só que era em pouquíssima quantidade.

Dessa vez tem mais", explica a Rede de Turismo Comunitário de Caetanos de Cima. A comunidade de Caetanos de Cima é formada por pescadores e pescadoras artesanais, agricultores e agricultoras tradicionais campesinos.

Atualmente, cerca de 200 pessoas vivem na localidade, com atividades de pesca artesanal, agricultura camponesa, turismo comunitário e manifestações culturais.

A mancha de óleo afeta diretamente a produtividade do local. A Marinha do Brasil e a Autarquia de Meio Ambiente de Amontada foram informadas e, segundo a Rede, elas vão enviar representantes ao local.

No momento, nenhum voluntário tenta retirar o material porque não estão com os equipamentos adequados, diz a Rede.

"Estamos à espera dos órgãos responsáveis e orientando os visitantes e comunitários a não tomarem banho de mar, nem a limparem sem equipamentos", afirma. Óleo ainda à deriva Especialista avalia que ainda há muito óleo à deriva no mar Helene Santos/SVM O professor do Instituto de Ciências do Mar (Labomar) da Universidade Federal do Ceará (UFC), Rivelino Cavalcante, destaca que o reaparecimento do material evidencia uma grande quantidade de óleo ainda à deriva no oceano.

“Já era para ele estar mais decomposto, no nível de micropartículas, ou até no nível molecular, no tamanho que não seria visto tão fácil a olho nu.

Isso evidencia que há muito material”, afirma. Além disso, segundo o especialista, o material voltou a aparecer por conta do fenômeno “swell”, como é conhecida a ressaca do mar.

“Provavelmente, esse material está sendo remobilizado.

Ele pode estar no fundo do assoalho oceânico.

Nossa plataforma é carbonácea, ela tende a precipitar esse material, ou seja, ele fica no fundo por conta do carbonato.

Depois, com esse evento extremo de ressaca, ele suspende o material, que volta a aparecer na praia”, ressalta. No início deste mês, a Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) informou que manterá a posição de alerta para o risco de aparecimento de novas manchas de óleo no litoral até o mês de março.

A medida ocorre justamente pela maior frequência do swell na área do Oceano Atlântico que corresponde ao Nordeste, nesta época do ano.

Conforme o mais recente mapa das áreas com localidades oleadas no litoral brasileiro, elaborada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em 27 de dezembro, três pontos do Ceará apresentavam “vestígios” com até 10% de contaminação por óleo: Praia do Cumbuco, em Caucaia; Lagoinha, em Paraipaba; e Pontal do Maceió, em Fortim.

Desde 30 de agosto, outras 38 localidades também apresentaram manchas, mas não na última revisita dos órgãos ambientais. Initial plugin text