O passado é uma parte do tempo que antecede o presente, ou seja, refere-se a todo e qualquer acontecimento em período de tempo anterior ao agora.

É natural que o ser humano armazene, mencione e recorde de eventos passados, mesmo aqueles mais distantes, a fim de fazer um comparativo ao presente e assim planejar seu futuro com base em experiências anteriores.

Porém muitas pessoas têm vivido presas a etapas do passado, quer sejam essas boas ou ruins.

Muito se ouve por ai aquela famosa frase que depressão é excesso de passado, e apesar de acreditar que depressão possui diversas causas, podendo ser química, ou seja, quando há uma alteração de neurotransmissores ou mesmo por situações diversas da vida, essa frase pode sim fazer algum sentido.

Pessoas que vivem presas ao passado são mais suscetíveis à depressão, pois se esquecem de que felicidade é viver o hoje.

Existem dois tipos de passado, o bom e o ruim, e os dois da mesma maneira se tornam perigosos.

O perigo do passado bom é idolatra-lo, a pessoa vive dizendo que naquela época era feliz, que aquela época é que era boa, ignorando completamente o presente.

  Eclesiastes 7:10 nos orienta sobre esse fato: “Não digas: Por que razão foram os dias passados melhores do que estes; porque não provém da sabedoria esta pergunta”.

Já o perigo do passado ruim são as frustrações, traumas, ressentimentos, culpas e falta de perdão, e a pessoa vive tentando reparar algo que não tem mais o que ser feito.

  Certa vez, ouvi um pregador dizer que o passado bom à gente agradece e o ruim a gente abandona.

Infelizmente muitos carregam fardos pesadíssimos, pois ainda não decidiram abandoná-los.

Mas existe uma palavra verdadeira e eficaz, que pode tratar diretamente nessa realidade.

Não são palavras que massageiam o ego ou diz aquilo que se deseja ouvir, mas trazem sede por mudança e restaura a alegria e a paz.

Estou falando das palavras de Jesus, que diz: “Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas.

Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.

” (Mat.

11.

29-30).

Todo esse fardo de culpas, medos e incertezas que muitas vezes carregamos pode ser lançado ao Senhor, para que então Nele encontremos descanso.

Em Isaías 61:3 diz que Deus dará aos que choram “coroa em vez de cinzas”, para que Ele seja glorificado.

Mas mesmo no meio cristão, vemos pessoas que querem manter suas cinzas do passado como uma punição por suas falhas, ou alerta para os próprios erros, ou dos erros de alguém.

As escrituras reprova essa atitude de “coitado”, quando em diversos momentos aponta para recomeços.

Como podemos ver em 2 Coríntios 5:17: Pelo que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.

“Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e carregou com as nossas dores; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido.

Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e esmagado por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados”.

(Isaías 53:4,5)O Apóstolo Paulo é um exemplo de um homem que teve um passado mau, onde mandava prender e matava cristãos de sua época.

Imagino que o mesmo deve ter sentido arrependimento e que isso lhe pesou o coração, mas vendo que era impossível reparar o passado, o apóstolo Paulo compreende que existe um alvo a ser alcançado, atende ao chamado e toma a decisão correta em relação ao seu passado, que é entrega-lo a Deus.

Uma prova disso é quando Paulo diz em Filipenses 3.

13: “Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo pelo prêmio da vocação celestial de Deus em Cristo Jesus”.

Que possamos assim como o Apóstolo Paulo atender ao chamado de Deus, e a colocá-lo como prioridade em nosso ser.

E não importa o que você fez, ou o que fizeram a você, desde que você avance pelo reino de Deus e não se prenda as mentiras e sofismas dessa vida, pois nada pode se comparar ao amor e o perdão do Pai.

Ele toma nossas dores e as transformam em milagres, e faz com que todas as coisas cooperem para o nosso bem, como está escrito: “E sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” (Romanos 8:28).

 Assim como não devemos nos prender ao passado, também não devemos nos preocupar com o futuro.

Jesus disse: “Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã; porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo.

Basta a cada dia o seu mal” (Mateus 6.

34).

Fica claro aqui no desfecho desse texto que a orientação de Deus através das escrituras é de que devemos viver o presente, confiando que Deus está preparando o melhor para aqueles que o amam, e podemos observar que as escrituras deixam essa realidade muito clara tanto no antigo testamento em Isaías 64:4: “Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, nem com os olhos se viu um Deus além de ti, que opera a favor daquele que por ele espera”.

Como também no novo testamento em 1 coríntios 2:9 : “Mas, como está escrito: As coisas que olhos não viram, nem ouvidos ouviram, nem penetraram o coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam”.

Deus é atemporal, o passado, presente e futuro estão em suas mãos.

Não há nada que ele não saiba.

Então meu irmão o melhor que temos a fazer é descansar, é entender que o nosso passado ele apaga e perdoa, que o nosso futuro ele já preparou e o nosso presente é sempre um recomeço.