Artista descobriu doença no fim do ano passado e precisou dar uma pausa na carreira para fazer a quimioterapia.

Cantores da Capital promovem shows para ajudá-la neste período.

Valéria Barcellos se apresenta nessa quinta-feira (5) junto com amigos no show VALente, em Porto Alegre Silas Lima/Divulgação Em plena ascensão na carreira de cantora, com uma agenda lotada de shows no Rio Grande do Sul e fora, e um álbum em produção, a cantora Valéria Barcellos descobriu que estava com um câncer.

A rotina de apresentações precisou dar lugar à quimioterapia e ao resguardo para cuidar da saúde.

Aos 40 anos, a artista natural de Santo Ângelo e radicada em Porto Alegre também é uma mulher trans e concilia a agenda artística com a luta pelos direitos do LGBTQI+.

Para ela, o desafio de superar a doença do "quarto signo", como chama o câncer, é só mais um obstáculo em sua trajetória.

"Eu já fui agredida na rua, já fui esfaqueada, sofri bullying na adolescência, sofri violência sexual durante muitos anos, então é só mais uma coisa que eu certamente eu vou tirar de letra porque isso ainda tem remédio", revela.

"Para o preconceito das pessoas não existe um remédio em que eu posso ir à farmácia e dizer 'me dá esse remedinho aqui para ti parar de falar besteira das pessoas trans que tu nem conhece'", analisa, em entrevista ao G1.

Valéria optou por transformar "tudo em arte", como diz a artista: criou uma página, intitulada "Transradioativa", em que escreve sobre as histórias que ouve durante as sessões de quimioterapia em um hospital de Porto Alegre e também idealizou uma exposição com fotos que tirou do quarto do hospital quando ficou internada por 20 dias.

Além disso, aproveita o resguardo para elaborar seu disco de estreia, "Sexo Frágil", viabilizado por financiamento coletivo.

Cantora de 40 anos enfrenta um câncer Silas Lima A música e os amigos, aliás, têm dado forças para a artista continuar.

Nesta quinta-feira (6), volta ao palco para o espetáculo VALente, juntamente com outros artistas do estado, para celebrar a vida e arrecadar fundos para despesas extras do tratamento, e também para outros pacientes da doença.

É a segunda edição do evento, dessa vez no Bar Opinião.

Confira o serviço abaixo.

Ter amigos reunidos no palco para homenageá-la e dar força no período complicado da doença ajudou Valéria a enxergar a sua situação por outra perspectiva.

"Talvez, e eu acredito muito nisso, essa doença veio para me dizer 'você não está dando o devido valor às coisas que você tem! Para, boba, tu andava muito reclamona!'.

Realmente, eu reclamava muito que eu não acontecia na carreira, que eu não acontecia e o show [VALente] calou a minha boca de uma maneira muito veemente", analisa a cantora.

Initial plugin text 'Pessoa trans deixa de visitar o médico' Valéria tem prognósticos positivos de cura para o sarcoma que descobriu na perna, durante uma viagem ao Rio de Janeiro.

Das seis sessões de quimioterapia marcadas, ela já passou por quatro.

A artista encontrou acolhimento em um hospital da Capital, onde faz suas sessões de quimioterapia pelo SUS.

Mas o acesso de pessoas trans à saúde pública é uma preocupação da cantora.

"A pessoa trans deixa de visitar o médico e acaba se acometendo de coisas muito maiores por esse constrangimento que a gente passa", observa.

Questões como o nome social impactam no atendimento de pessoas trans, observa Valéria.

"Se não sabe como tratar, chama a pessoa de canto, pergunta para ela que não tem problema.

É melhor pecar pelo excesso do que pela falta nesse caso", afirma.

"A gente precisa de respeito, não preciso que tu aceite o meu gênero ou a minha sexualidade, não.

Não preciso realmente, não tô te pedindo em namoro, eu só tô querendo que tu me respeite enquanto pessoa, enquanto cidadã que paga imposto, que usa o serviço público", conclui a cantora.

Serviço Show VALente CONTRA O CÂNCER – 2ª Edição Opinião (R.

José do Patrocínio, 834, Cidade Baixa, Porto Alegre) Quinta-feira (6), 21h (abertura da casa) e 22h (show) Contribuições: Lote Promocional: Inteira: R$ 50 – Solidário: R$ 30 – Meia:R$ 25 Primeiro Lote: Inteira: R$ 60 – Solidário: R$ 35 – Meia: R$ 30 Segundo Lote: Inteira: R$ 70 – Solidário: R$ 40 – Meia: R$ 35 No Local: Inteira: R$ 80 – Solidário: R$ 45 – Meia: R$ 40 Ingresso Solidário – mediante a entrega de 1Kg de alimento não perecível no dia e local do evento.

*Colaborou estagiária Caroline Oliveira sob supervisão de Janaína Lopes