Não há informações sobre mortos ou feridos.

EUA e Talibã tentam entrar em acordo para retirar tropas americanas do país.

As forças americanas e afegãs foram alvo, neste sábado (8), de "fogo direto" no leste do Afeganistão, disse um porta-voz militar dos Estados Unidos que atua no local.

"Uma força combinada dos EUA e do Afeganistão, que realizou uma operação na província de Nangarhar foi atacada por tiros em 8 de fevereiro.

Estamos avaliando a situação", afirmou o coronel Sonny Leggett em comunicado. Nenhum grupo reivindicou o ataque até o momento. Um funcionário afegão declarou, sob anonimato, que o ataque ocorreu no quartel-general militar do distrito de Shirzad e que forças estrangeiras haviam isolado a área.

"Vários helicópteros pousaram e deixaram o complexo da sede, causando baixas.

Não sabemos quantos mortos ou feridos", disse o oficial à AFP.

Este último incidente ocorre em um momento em que os negociadores norte-americanos e o Talibã tentam chegar a um acordo que permita a Washington retirar milhares de soldados do Afeganistão após mais de 18 anos de guerra.

O ano passado foi o mais mortal para as forças americanas no Afeganistão desde que as operações de combate terminaram oficialmente no final de 2014.

Em dezembro, o Talibã se infiltrou entre os militares afegãos e matou nove soldados afegãos no centro do Afeganistão.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reiterou na terça-feira passada, durante o discurso sobre o estado da União, no Congresso, sua promessa de retirar tropas do Afeganistão.

O presidente questiona rotineiramente a utilidade de manter tropas no exterior e descreveu a guerra no Afeganistão, que começou após os ataques de 11 de setembro de 2001, como um sangramento humano e de recursos.