O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta terça-feira (11) ao líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), que o governo precisa decidir o quer da agenda de reformas.

A conversa foi após Maia ser informado de que o Executivo pode desistir de enviar a reforma administrativa ao Congresso. Procurado pelo blog nesta quarta-feira (12), Maia disse que, se o governo desistir de enviar uma proposta aos congressistas, a Câmara tratará apenas da reforma administrativa do Legislativo.

Assim, as mudanças englobariam apenas os servidores do Congresso Nacional.

“Mais uma vez o governo quer empurrar nas nossas costas.

O governo precisa decidir o que quer: se não tiver PEC [Proposta de Emenda à Constituição] do Executivo, vamos tratar da reforma administrativa do Legislativo, não trataremos do Executivo”, explicou Maia ao blog. Ao blog, Fernando Bezerra disse que Maia informou a ele que o governo precisa ter uma “posição formal” sobre a reforma.

E que, caso contrário, “fica parecendo que Paulo Guedes quer a reforma e o Planalto, não". “Eu vou conversar com Paulo Guedes de novo, mas eu disse ontem a ele que precisamos observar os prazos, porque se não for até semana que vem, antes do carnaval, ficara difícil para aprovar antes do recesso do primeiro semestre”, disse o líder do governo no Senado.

Nos bastidores, congressistas avaliam que o Planalto teme desgastes e repercussão negativa com a categoria dos funcionários públicos em ano eleitoral e quer “terceirizar “ o tema para o Congresso.