Políticos debateram nos últimos mudança no ICMS de combustíveis, que é um imposto estadual.

Ministro disse ainda que o governo não tem previsão de envio da reforma administrativa.

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, defendeu nesta quarta-feira (12) que a reforma tributária trate "preferencialmente" de impostos federais. A reforma é um dos principais projetos do governo para o ano de 2020 na área econômica.

Nas previsões do Palácio do Planalto, Câmara e Senado devem votar o tema ainda no primeiro semestre. Nos últimos dias, vem ganhando força no meio político uma discussão sobre mudança na cobrança do ICMS para combustíveis, como uma forma de baratear o produto.

O ICMS é um imposto estadual e é um dos que incidem sobre o preço final dos combustíveis.

Bolsonaro chegou a dizer que zeraria os tributos federais sobre o produto se o governadores fizessem o mesmo com o ICMS. Nesta terça-feira (11), governadores reunidos em Brasília afirmaram que não é possível reduzir tributos sobre combustíveis de forma imediata, mas defenderam que esse tema pode ser debatido dentro da reforma tributária Para Onyx, o país é "muito diverso" e, por isso, será mais fácil aprovar primeiro uma reforma tributária que altere somente os impostos federais.

“Eu tenho defendido que deve se trabalhar preferencialmente sobre os impostos federais.

Porque é muito difícil de se encontrar consenso.

O Brasil é muito diverso.

As necessidades um brasileiro de Roraima ou Rondônia são diferentes das necessidades de quem vive em Pernambuco ou na Paraíba.

É uma posição pessoal minha”, afirmou Onyx após participar no Congresso de um seminário sobre o ano do Legislativo.

O ministro afirmou que tem apresentado sua opinião sobre o assunto para a equipe econômica do governo federal e também às lideranças políticas.