Caldo-de-Cana de Ceará-Mirim, Garrafinhas Coloridas de Tibau e Festa de Nossa Senhora dos Navegantes também passaram a ser patrimônio imaterial do estado.

Pastel de Tangará foi considerado patrimônio imaterial do Rio Grande do Norte Divulgação/Inter TV O Pastel de Tangará, e a Carne de Sol e o Queijo Coalho de Caicó, além do Caldo-de-Cana de Açúcar de Ceará-Mirim, foram considerados patrimônios culturais imateriais do Rio Grande do Norte.

As leis que trataram as iguarias da culinária regional foram publicadas no Diário Oficial do Estado desta quarta-feira (12). Na mesma edição do DOE, a governadora Fátima Bezerra (PT) também sancionou a lei que tornou patrimônio cultural imaterial as Garrafinhas Coloridas da Praia de Tibau, artesanato produzido na praia do litoral Norte potiguar. Além disso, também foi reconhecida como patrimônio cultural imaterial e histórico a Festa de Nossa Senhora dos Navegantes, realizada na cidade de Areia Branca, na Costa Branca.

Todas as leis são de proposições da Assembleia Legislativa.

Após a sanção da governadora, as manifestações culturais passam a ser, reconhecidamente, típicas do Rio Grande do Norte.