Segundo o órgão, tanto a equipe de apoio quanto os repatriados devem sair só dia 27 de fevereiro da Base Aérea de Anápolis.

Militar da equipe médica do Instituto de Medicina Aeroespacial (IMAE) afere a temperatura de um dos brasileiros a bordo do VC-2 da FAB em Wuhan, na China Força Aérea Brasileira/Divulgação Apesar de exames descartarem a contaminação por coronavírus no grupo vindo da China, o Ministério da Defesa informou, nesta quarta-feira (12), que a equipe de apoio e os repatriados vão cumprir todo o período de quarentena recomendado pelo Ministério da Saúde.

Eles só vão sair da Base Aérea no dia 27 de fevereiro.

Por meio de nota, o órgão disse que "permanecem em quarentena, com o quadro assintomático e continuam passando por avaliações clínicas diárias".

O texto também afirma que "conforme orientação do Ministério da Saúde, a Operação Regresso à Pátria Amada Brasil vem respeitando o protocolo de quarentena previsto desde o início da missão". Frustração Uma médica que participou do resgate dos repatriados da China por causa do surto de coronavírus disse que a equipe técnica que atuou na missão terá de ficar em quarentena até o dia 27 de fevereiro, quando terminam os 18 dias estipulados de isolamento.

A profissional, que prefere não se identificar, afirmou que tinha expectativa de poder ser liberada e se mostrou frustrada com a notícia.

"Vão segurar a gente até dia 27.

Não tenho nem palavras para descrever o sentimento disso.

A mala estava pronta para sair", afirmou ao G1. A médica integra um grupo de 24 pessoas que participaram diretamente do resgate em Wuhan, epicentro do surto.

Ao todo, foram 14 médicos, oito tripulantes e dois jornalistas participaram da missão que trouxe ao Brasil 34 brasileiros e parentes chineses. VE - Repatriação de brasileiros na China Aparecido Gonçalves e Juliane Monteiro/G1 A notícia de que os exames mostraram que os repatriados não estão infectados pelo novo coronavírus foi recebida com "festa" pelo grupo de repatriados que está em quarentena.

O secretário executivo Alefy Medeiros Rodrigues, de 26 anos, disse que, mesmo sabendo que não havia sintomas, o resultado foi um alívio. "Aqui tá rolando uma euforia coletiva.

[...] Está todo mundo muito feliz.

Particularmente, essa é a melhor notícia desde que soubemos que o avião ia buscar a gente na China", confessou. Mesmo com a notícia, Alefy disse que estão todos tranquilos de que ainda precisam ficar alguns dias por lá, mas agora passam a quarentena menos preocupados. "Temos ainda um tempo de quarentena para cumprir, mas o importante é que vamos ficar por causa do tempo de incubação do vírus", afirmou. Brasileiros repatriados da China chegam à base aérea de Anápolis, em Goiás, neste domingo (9). Adriano Machado/Reuters Os repatriados Os grupo dos 34 repatriados da China é composto da seguinte forma: 4 chineses casados com brasileiros; 7 crianças com idades entre 2 e 12 anos; 23 brasileiros adultos – casais e homens e mulheres solteiros (sendo três diplomatas). Surto Desde o início do surto do vírus no início deste ano, a China registrou 1.017 mortes por coronavírus e 42.708 casos confirmados. De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil investiga 8 casos suspeitos de Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus.

Segundo o governo, desde o início do monitoramento, 33 casos foram descartados. Entre os pacientes em observação, três estão em São Paulo, dois no Rio de Janeiro, um no Paraná, um em Minas Gerais e outro no Rio Grande do Sul. Veja outras notícias da região no G1 Goiás. Initial plugin text