Colegiado analisou o fato de Fábio Wajngarten ser acionista de empresa que presta serviço a veículos de comunicação com contratos com o governo.

A Comissão de Ética Pública da Presidência da República decidiu não abrir investigação sobre Fábio Wajngarten, chefe da Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom).

Ele foi denunciado por ser acionista de uma empresa que presta serviços a algumas emissoras e agências que mantêm contratos com governo, como revelou reportagem do jornal "Folha de S.

Paulo". Fábio Wajngarten, chefe da Secretaria Especial de Comunicação Social , no Palácio do Planalto Adriano Machado/Reuters O relator do caso, o conselheiro Gustavo Rocha, votou pelo arquivamento.

Ele foi acompanhado por outros três integrantes da comissão.

O placar final foi de 4 a 2 pelo arquivamento.

De acordo com o presidente do colegiado, Paulo Henrique dos Santos Lucon, a comissão pode voltar a discutir a questão caso surjam novas evidências.

“Foi feita a análise da legislação cabível e a comissão entendeu que não havia indícios para o prosseguimento do processo”, afirmou. O presidente da comissão afirmou ainda que o fato de Fábio não exercer funções de gestão na empresa foi levado em consideração pela comissão.

Desde janeiro, a "Folha" vem publicando reportagens sobre o caso.

Wajngarten, segundo o jornal, é acionista de uma empresa de pesquisa e auditoria de mídia que presta serviços a algumas emissoras de TV e agências de publicidade que mantêm contrato com a Secom, comandada pelo secretário. Após o arquivamento da denúncia, a Secom divulgou nota na qual disse que "ficou comprovado" que "não há conflito de interesses entre a atuação do secretário e a sua empresa" (veja a íntegra da nota no final desta reportagem). A defesa de Wajngarten também se manifestou e disse que o secretário “como servidor, se submeteu respeitosamente à Comissão de Ética Pública, como advogados, magistrados, promotores em seus órgãos de controle” e que “a Comissão de Ética atuou com a independência que engrandece sua instituição permanente”. PF abre inquérito para investigar secretário de Comunicação de Bolsonaro, Fábio Wajngarten No dia 31 de janeiro, a Polícia Federal abriu inquérito, que tramita em sigilo, para investigar supostas irregularidades cometidas pelo secretário. A Comissão de Ética Pública da Presidência da República fiscaliza a conduta de ministros, dirigentes de estatais e ocupantes de cargos de natureza especial, como Wajngarten.

Os demais servidores federais são fiscalizados pela CGU (Controladoria-Geral da União). Nota da Secom Veja a íntegra da nota divulgada pela Secretaria de Comunicação da Presidência: A decisão da Comissão de Ética Pública da Presidência da República é um marco na defesa do Secretário de Comunicação Fábio Wajngarten.

Reduz a insidiosa campanha promovida por um jornal ao seu lugar, apenas um permanente acinte de calúnias e difamações que se revelaram infrutíferas, apesar da implacável campanha diária.

Ficou comprovado, com a decisão da Comissão de Ética Pública da Presidência da República, de que não há conflito de interesses entre a atuação do Secretário e a sua empresa.

E que nenhum grupo econômico do setor foi favorecido pelos atos administrativos do Secretário de Comunicação.

Prevaleceu a verdade e o bom senso.

Não há nada de aético ou ilegal na atuação do Secretário Fábio Wajngarten, à frente da Secretaria de Comunicação.

A denúncia arquivada é um atestado de idoneidade a ele. O Secretário de Comunicação continua confiante de que em outros fóruns aonde as supostas denúncias são objeto de apuração, a conclusão será a mesma porque elas não encontram respaldo na realidade. Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.