Cargas foram apreendidas em três operações realizadas Grande Belém, Santa Maria do Pará e Castanhal.

Quase 4 toneladas de alimentos impróprios para consumo humano foram apreendida pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado (Adepará), em parceria com a Divisão de Operações e Investigações Especiais da Polícia Civil (Dioe).

Foram três operações realizadas: Grande Belém, Santa Maria do Pará e Castanhal.

O balanço das ações foi divulgado nesta terça-feira (18). A primeira apreensão ocorreu na noite de segunda-feira (11).

As 21 peças de carne bovina vieram em um caminhão baú de Breu Branco, no sudeste do estado, e deveriam ser desembarcadas no bairro do Benguí, em Belém.

Mas um açougue do Marco estava fazendo o desembarque e algumas das peças estavam no piso do baú.

A nota fiscal do produto estava inconsistente e o veículo foi apreendido para averiguação. O alimento acondicionado inadequadamente já esverdeado e com temperatura acima do permitido estava sendo transportado em um baú isotérmico, com aparelho de refrigeração quebrado.

Por não haver como descartar a carne de maneira segura, na noite de segunda, o alimento foi inutilizado para consumo humano na manhã seguinte.

Foram lavrados autos de apreensão e inutilização. Pescado No dia 13, os fiscais foram novamente acionados.

Dessa vez, agentes da Polícia Rodoviária Federal de Santa Maria do Pará chamaram os servidores da Adepará em Castanhal.

Um carregamento de peixe, que, segundo os proprietários da mercadoria, saiu da feira do Ver-o-Peso, foi apreendido, totalizando 350 kg, e estava sendo transportado sem refrigeração e em caixa de papelão reutilizado.

A carga foi destruída. Carne estragada No mesmo dia, a equipe de fiscalização volante foi chamada por agentes da PRF de Castanhal e encontrou um caminhão frigorífico, na barreira da PRF, em Castanhal, e o sistema de refrigeração da carga do veículo não estava funcionando.

Os 1,8 mil kg do alimento foram também inutilizados.