Entre as mercadorias, auditores da Receita Federal encontraram meio quilo de haxixe.

Operação apreende encomendas com irregularidades nos Correios de Poços de Caldas A Receita Federal em Poços de Caldas (MG) começou nesta quarta-feira (19) a segunda fase da Operação Raio-X, para fiscalização de correspondências nos Correios da cidade.

A intenção é evitar crimes como contrabando e envio de objetos sem nota fiscal, geralmente comprados pela internet. Desde o início da manhã, as equipes da Polícia Militar e e auditores da Receita trabalharam na fiscalização das mercadorias no depósito dos Correios, no Centro.

No trabalho, é usada a chamada van-scanner, uma espécie de raio-x que identifica o conteúdo das mercadorias. Um cão farejador também auxiliou nos trabalhos.

No primeiro balanço da Receita, divulgado no início da tarde desta quarta, mais de 100 encomendas já tinham sido apreendidas.

Uma delas tinha mais e meio quilo de haxixe.

A droga será levada à delegacia. Receita Federal e Polícia Militar fiscalizam mercadorias em Poços de Caldas (MG) Reprodução/EPTV "Hoje intensificamos a operação justamente em função do carnaval, tínhamos a expectativa de encontrarmos drogas nas encomendas.

Hoje encontramos com a participação da Polícia Militar", explicou o auditor fiscal da receita, Michel Lopes Teodoro.

Ainda conforme o auditor, os responsáveis podem responder pelo crime de descaminho, por conta das encomendas que chegam a Poços de Caldas sem nota fiscal e sem pagamento de tributo, além de contrabando. Também há consequências para quem recebe as mercadorias.

"Os destinatários vão ser intimados para comprovar a origem e essas pessoas podem sofrer uma representação fiscal para fins penais". A primeira fase da Operação Raio-X aconteceu em novembro de 2019.

Na época, dezenas de mercadorias foram apreendidas. Não há prazo para finalização da operação. Monitor de Raio-X utilizado pela Receita Federal em operação em Poços de Caldas (MG) João Daniel Alves/EPTV Veja mais notícias da região no G1 Sul de Minas