O crime ocorreu em abril de 2018, quando foram atacados agentes e a base móvel da PM localizada no Porto da Palha.

A Polícia Civil do Pará cumpriu, nesta quarta-feira (19), mandado de prisão preventiva de um dos acusados de tentativa de homicídio contra policiais militares.

O crime ocorreu em abril de 2018, quando foram atacados agentes e a base móvel da PM localizada no Porto da Palha, no bairro da Condor, em Belém. Na época, a ação criminosa se deu em retaliação à morte de 21 pessoas, entre elas presos e um agente prisional, logo após uma tentativa de fuga em massa no Centro de Recuperação Penitenciária do Pará II, em Santa Izabel.

De acordo com o titular da DHAP, delegado Davi Cordeiro, o ataque, em seguida, ocorreu como resposta e demonstração de poder de uma determinada facção criminosa.

"Eles queriam atingir o Estado, a instituição Polícia Militar, inclusive isso é uma das afirmações de um dos presos, que eles queriam mostrar para a sociedade que o crime estava operando e não ia deixar barato o que tinha acontecido dias antes", informou o delegado. A base de policiamento móvel ficou crivada de bala e a cabo Edna Maria Gomes Alves foi atingida no tornozelo.

Ela estava acompanhada pelo agente Hércules André Siqueira David e os dois revidaram com tiros em oito indivíduos que desembarcaram de um veículo roubado.

As diligências incluíram a coleta de depoimentos de testemunhas e da vítima do carro roubado até chegarem a sete envolvidos, dos quais três foram presos e quatro, mortos sob outras circunstâncias.

A investigação contou também com o apoio da Secretaria de Administração Penitenciária do Estado do Ceará (SAP/CE).

O mandante foi identificado e está custodiado na Penitenciária Desembargador Adalberto de Oliveira Barros Leal, no município de Caucaia/CE, desde o ano de 2016 - e de lá teve papel decisivo no planejamento, recrutamento dos autores diretos e organização do ataque.

"Ele tem outros mandados de prisão aqui que já foram cumpridos por crime de homicídio, inclusive contra agente de segurança pública também.

Dentro do processo judicial, vamos tentar o recambiamento dele aqui para o Estado do Pará, mas por enquanto ele continua lá", complementou o delegado Davi.

O inquérito foi finalizado e encaminhado à Justiça, com o devido relatório final, que subsidiou a denúncia contra os quatro indivíduos.