Ratinho Junior (PSD) também determinou a criação de um grupo de trabalho com servidores e instituições para estudar uma alternativa para o manejo da restinga.

Prefeituras de Matinhos e Guaratuba suspenderam corte de restinga após pedido do MP Gilson Abreu/AEN O governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), revogou nesta quarta-feira (19) um decreto de janeiro deste ano que autorizava o corte da restinga no litoral do Paraná.

O corte foi alvo de críticas de ambientalistas e do Ministério Público do Paraná (MP-PR), e de fiscalização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Também foi determinado pelo governador a criação de um grupo de trabalho com servidores e instituições para estudar uma alternativa mais adequada para o manejo da restinga no litoral.

Pelo decreto, o grupo terá prazo de até 90 dias para concluir o trabalho. Na avaliação do MP-PR, a restinga faz parte do bioma Mata Atlântica e, por isso, precisaria de licença florestal dos órgãos federais, como o Ibama, e anuência do patrimônio da União para o corte já que a área pertence ao governo federal. As prefeituras de Matinhos e Guaratuba, no litoral do Paraná, chegaram a podar parte da restinga em janeiro, mas suspenderam o trabalho depois de um pedido da promotoria.

A poda era defendida pelo secretário de Desenvolvimento Sustentável e Turismo do Paraná, Márcio Nunes. Para determinar o corte, o governo havia considerado que a vegetação estava favorecendo a proliferação do mosquito Aedes aegypti, o surgimento de espécies exóticas em meio à restinga e também o favorecimento de crimes em função da alta vegetação. Veja mais notícias do estado no G1 Paraná.