Aviso foi divulgado pela Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) às 17h desta quinta-feira (20) e é válido por 24 horas.

Este é o segundo alerta em dois dias.

Galhos de árvore caíram durante a madrugada e ocuparam faixa da Avenida Visconde de Jequitinhonha, em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, nesta quinta-feira (19) Elvys Lopes/TV Globo Pelo segundo dia consecutivo, a Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) emitiu um alerta para a possibilidade de chuvas com intensidade de moderada a forte, no Grande Recife, Zona da Mata e Agreste de Pernambuco.

O aviso foi emitido às 17h desta quinta-feira (20), dia da abertura oficial do carnaval de Olinda.

No dia 12 de fevereiro, um aviso semelhante também foi divulgado. De acordo com a Apac, o aviso é válido por 24 horas, até a sexta-feira (21), dia da abertura oficial do carnaval do Recife.

Ainda segundo a agência, a população deve seguir as orientações da Defesa Civil de cada município.

Nesta quinta-feira, em duas horas, o Recife registrou volume de chuvas equivalente a oito dias (veja vídeo abaixo). Chuva e ventania no Grande Recife causam queda de árvores e outros prejuízos As chuvas previstas, segundo a Apac, são resultado da junção do Vórtice Ciclônico de Altos Níveis e Zona de Convergência Intertropical, dois sistemas meteorológicos ativos na região.

Na madrugada, rajadas de vento de até 50 quilômetros por hora também foram registradas, causando transtornos em diferentes cidades, com quedas de árvores e postes, além de falta de energia elétrica. Na capital pernambucana, há um plantão permanente da Defesa Civil, que pode ser acionado pelo telefone 0800.081.3400.

A ligação é gratuita.

Em caso de necessidade, moradores de locais de risco devem procurar abrigos em locais seguros, de acordo com a Defesa Civil do Recife. Operação Inverno é antecipada para tentar reduzir transtornos da época chuvosa no Recife Operação Inverno antecipada A prefeitura do Recife antecipou, no dia 12 de fevereiro, a Operação Inverno de 2020.

Com R$ 99 milhões de orçamento, a prioridade é proteger áreas de encosta e fazer obras em 10 pontos de alagamento na capital pernambucana, além de buscar evitar alagamentos em túneis da cidade (veja vídeo acima). Especialistas apontam que há uma série de ações que o poder público deveria tomar para, ao menos, reduzir o impacto de alagamentos, enchentes, deslizamentos de terra e desmoronamentos.

São eventos recorrentes e catastróficos, que custam vidas e trazem transtornos de vários tipos, do trânsito travado à interrupção de serviços públicos essenciais, passando por prejuízos milionários à economia.