Segundo Iapen, ele entrou em presídio com fermento biológico, usado na fabricação de bebida artesanal conhecida como ‘maria louca’.

Ex-agente penitenciário suspeito de decapitar jovem foi demitido por violar regras em presídio no AC Arquivo pessoal O ex-agente penitenciário Ivanhoe de Oliveira Lima, suspeito de decapitar a companheira Larissa Aurélia da Costa Silva, de 17 anos, na madrugada desta sexta-feira (21), foi demitido do cargo por violar regras no sistema prisional do estado.

A adolescente foi vítima de um crime bárbaro ao ser morta a facadas e depois decapitada, no bairro Jorge Kalume, em Rio Branco.

Não satisfeito, o homem ainda teria levado a cabeça da vítima até a casa da mãe dela. Lima tinha sido nomeado no dia 6 de setembro de 2010 ao então cargo de agente penitenciário e foi demitido no dia 14 de fevereiro de 2013 por improbidade administrativa.

Ao G1, o Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen-AC), informou que o motivo da demissão foi ele ter entrado no presídio com fermento biológico – que é usado na fabricação de bebida artesanal conhecida como 'maria louca'. O delegado Martin Hessel, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), afirmou que ainda não tem muitos detalhes sobre o crime, mas que recebeu informação de que se tratava de um relacionamento bastante conturbado.

“A informação que chegou é que eles sempre tinham muitas brigas, discussões.

Não tenho ainda os detalhes da situação.

Ele ainda não foi encontrado, mas estão sendo feitas buscas para tentar localizá-lo.

Também não conseguimos ouvir a família da vítima, até porque estão na situação de liberação de corpo, velório e enterro”, afirmou o delegado.

Ainda segundo o delegado, o casal estava junto há pelo menos dois anos.

"O que sabemos é que houve uma discussão entre eles e, nessa discussão, o autor, em posse de uma faca, desferiu os golpes e depois cortou a cabeça dela.

São as informações que a gente tem, inicialmente", informou.