O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta sexta-feira (21) ao blog que não há ambiente na Casa para ser pautado um projeto que preveja anistia a militares, como defendem militares e integrantes da chamada bancada da segurança pública. Nesta sexta, o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), disse ao Blog do Camarotti que não negociará anistia com os PMs amotinados no estado porque isso representaria "um grande prejuízo" para o Brasil.

Segundo ele, os que aderiram ao motim serão punidos. Cristiana Lôbo: ‘Todos os governadores estão olhando para o que está acontecendo no Ceará' Pelo menos dois projetos tramitam no Congresso, um na Câmara e outro no Senado, com o objetivo de anistiar policiais, bombeiros e agentes penitenciários que participaram de paralisações de suas categorias.

O senador Major Olímpio PSL-SP) relator de um desses projetos, afirmou que a proposta não deve prosperar neste momento.

Ele lembrou que atualmente no Senado há 15 ex-governadores, que não votariam a favor de tal proposta.

As formas de anistia são duas: a administrativa, concedida pelo governador do Estado, e a penal, que depende de lei aprovada pelo Congresso. Movimento de PMs no Ceará traz de volta debate sobre anistia a militares grevistas