De acordo com sindicato da categoria, empregados voltaram às atividades após anúncio de pagamento do salário de abril.

Um dia após uma paralisação parcial das atividades por falta de pagamento, os motoristas retomaram as operações do transporte coletivo em Ribeirão Preto (SP) na manhã desta terça-feira (12). O Sindicato dos Empregados em Empresas de Transporte Urbano e Suburbano de Passageiros (Seeturp) informou que os diretores das duas empresas que haviam interrompido as atividades - Rápido D'Oeste e Transcorp - confirmaram que o salário dos empregados referente a abril será creditado nas contas.

A previsão da entidade é de que isso aconteça até o meio-dia. "Os dois diretores das duas empresas nos garantiram que às 8h estarão enviando ao banco a relação dos funcionários com valores dos pagamentos", afirmou o presidente João Henrique Bueno.

Ônibus parados em terminais de Ribeirão Preto, SP Reprodução/EPTV A reportagem aguarda um posicionamento do Consórcio Pró-Urbano, que responde pelas empresas do transporte.

Ainda na segunda-feira (11), a concessionária pediu uma ajuda de R$ 4,5 milhões à Prefeitura para manter a operação dos ônibus na cidade diante da queda na arrecadação resultante do baixo volume de passageiros transportados por causa da pandemia do novo coronavírus.

Segundo o sindicato, depois de negociações sem acordo até a noite de segunda, os diretores das empresas confirmaram por volta de 5h desta terça-feira que os pagamentos, que deveriam ter sido feitos até 7 de maio, seriam realizados.

Com a informação, os funcionários concordaram em voltar às atividades. Desde o início das medidas de restrição para aumentar o isolamento social em Ribeirão Preto, a frota passou a operar com 70% dos veículos, o que representa 204 do total de 341.

Por ser considerado serviço essencial, o transporte público não pode ser interrompido. Dados da Transerp apontam que, em abril, o número de passageiros transportados foi de 986.246, contra 3.854.390 no mesmo período de 2019 – redução de 74,4%.

Segundo a empresa, a queda na receita foi de R$ 8 milhões. Mas as empresas afirmam que a arrecadação chegou a R$ 3 milhões.

Uma planilha enviada pelo consórcio registra um déficit de 71,2% entre a previsão e o que de fato se arrecadou em abril. Esta notícia está em atualização. Veja mais notícias da região no G1 Ribeirão Preto e Franca